ASSIM ELE SABERÁ QUE É AMADO

5
3min de leitura

Tinha uma história comprida girando ao redor de uma figura masculina muito, mas muito familiar. Ele é quase o personagem principal. Então rolava uma história que não lembro nada mas deixou um rastro de carinho. Carinho por esse homem.

E então a cena final, a que ficou, se configurava assim: havia uma mulher que gostava desse homem e essa mulher, mesmo que eu a visse de fora e ela parecesse usar um turbante que nem a moça negra bonita feminina daquela bobagem do atrás dos seus olhos, é a segunda vez que esse turbante, que super me chamou atenção na série, comparece, era meio que eu. E nisso tinha algo que... nossa, é bem complicado de relatar. Uma outra figura masculina, essa com ar de entidade, havia interferido de modo a separar esse homem dessa mulher. Tenho que dizer aqui que na hora não senti que teria a ver com o Adriano. Nem agora sinto. Mas tem algo nesse homem que bate com algumas coisas que de vez em quando sinto pelo Adriano e não sei até que ponto são fantasias minhas. Então essa figura masculina meio que havia “separado” os dois, a coisa era bem essa. Não era algo do mau nada e parecia que a tal figura masculina era vista ou percebida por mim ali nos bastidores da cena. Eu-essa moça nem chegava a ficar revoltada ou com raiva e sim reagia da seguinte bonita forma e esse era o auge do sonho:

Ela sabia que o homem estava triste e achando que tudo tinha terminado e fim, então ela pegava uma rosa vermelha que era uma mistura de rosa real com essa rosa de lantejoula que a Zelita me deu, e deixava junto com umas coisas que o correio tinha colocado na porta de entrada da casa desse homem. As coisas não tinham a ver com a moça, eram entrega de correio, mas ela espetava a rosa ali junto e sabia que na hora que o homem abrisse a porta e pegasse as coisas iria super entender que tinha sido ela que havia colocado a rosa e que isso era sinal claro de que ele era amado por ela, pois rosas vermelhas significam amor. Ela fica observando a cena não tão presencialmente, mas mais incorporada em mim, que observo de um outro plano, assim como a tal figura que tinha “separado” os dois. O homem, meio chateado, abre a porta e dá com aquelas coisas e logo nota a rosa vermelha e da forma prevista, entende na hora que vinha dela. Ele pega as coisas e despreende a rosa ali do cordão onde a moça tinha preso ela e nesse momento a rosa é mais a rosa de lantejoula que rosa de verdade e o moço entende e fica feliz e nisso um detalhe do qual eu já estava ao par fica em evidência: presa no caule da rosa havia um pedaço de uma dessas bandejinhas de isopor no qual vem verduras do super e que eu até usei em algumas artes e tenho que me controlar para jogar fora pois sempre quero guardar para fazer artes, mas no momento melhor jogar pois não estou tendo esse tempo.

Ali no sonho eu sabia que a moça tinha colocado “algo a mais” junto da rosa e esse algo a mais era esse fragmento de bandejinha.

{2 de março de 2021}

IMAGE CREDITS BEN HASSET | OLGA SHERER | VOGUE 2010

ASSIM ELE SABERÁ QUE É AMADO

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

bandejinha de isopor mensagem de amor rosa vermelha separados por uma entidade verdurdas