SEM CABEÇA

4
3min de leitura

Esse sonho foi um dos sonhos com uma das imagens mais loucas que eu tive.

Começa estou em um lugar onde uma enfermeira má me diz que eu tenho uma doença grave, talvez câncer. Fico muito nervosa, mas há um homem que me protege. Esse homem é uma mistura do meu irmão com outros, ou outro. Ele diz que a enfermeira está mentindo e eu não tenho nada. Realmente, fazemos um teste e verifica-se que eu não tenho nada. Na verdade é meio difícil lembrar exatamente como foi o sonho. Mas foi mais ou menos assim. Mas então a enfermeira má diz que tem que me dar um injeção de sei lá o que, para eu ficar boa, ou quer uma amostra do meu DNA, ela usa um pretexto, e me dá uma injeção no dente. Eu percebo que nessa injeção tem germes e empurro ela, e a seringa fica presa no meu dente. O homem que me protege vem tirar a seringa e a obturação do meu dente sai junto e eu fico com muita vergonha e com medo que ele fique com nojo de mim.

Bom, aí parece que fico doente de verdade por causa da injeção com germes da enfermeira má. Antes disso, ou no meio disso, estou em um conjunto habitacional muito decadente e humilde, e fico com vontade de comprar um daqueles apartamentos e reformar para morar. Digo para mim mesma que ali é muito pobre, mas a vontade não passa. Aí vem o pedaço forte: estou aqui no apartamento, deitada na cama, de camisola, e estou gravemente doente por causa da injeção da enfermeira. Estou pensando em tomar uma atitude para me salvar. No meio disso penso alguma coisa relativa a homens loiros. Não lembro oque. O tema era rejeição e homens loiros. Nesse momento vejo eu mesma passando em frente à porta do quarto, como se estivesse aqui no escritório e eu estou louca e doente e estou sem cabeça. É só o corpo, sem a cabeça. Estou de camisola, e ando meio zonza pela casa. Sei que estou pensando nos homens loiros. É muito, muito impressionante. Não tenho medo da imagem em si, mas tenho medo por que aí tenho certeza de que essa é a Silvia doente e que vai me destruir se eu não fugir. Então saio correndo do apartamento, tranco a porta, e começo a descer pelas escadas desesperada. Essa cena eu sei que eu sonhei por causa do filme da Tina Turner ontem, em que ela foge do marido espancador, correndo que nem louca pela rua. A sensação era a mesma, mas eu fugia de mim mesma e tinha muito medo da minha loucura. Chego no hall do prédio. O porteiro bonzinho está lá. Estou transpirando, tremendo, de camisola. Penso que devo estar parecendo uma coisa horrível, mas é porque estou doente. Peço para ele ligar para meu irmão. Vou contar que prendi a louca no meu apartamento. Minha mãe está lá , e começa a encher dizendo que cada ligação é caríssima. Na verdade talvez fosse para ela que eu fosse ligar a princípio, mas quando ela começa a encher eu resolvo ligar para meu irmão. Fico com muito ódio dela.

{11 de outubro de 2005}

IMAGE CREDITS PIERPAOLO FERRARI | LINDSEY WIXSON | CR FASHION BOOK 2012

SEM CABEÇA

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Quem viu também curtiu

O ESPETÁCULO FABULOSO

O COLÉGIO NO CAMINHO

AS SEREIAS IMPOSSÍVEIS DEMAIS PARA SER VERDADE